WikiLeaks revela violência cometida contra pastor

Wikileaks 250x140 WikiLeaks revela violência cometida contra pastor

Documentos mostram que violência contra um pastor norte-americano no interior de Alagoas e questão agrária preocuparam consulado dos EUA.

A violência cometida contra um pastor norte-americano da Igreja Batista de Coqueiro Seco, no interior de Alagoas, e os rumos de movimentos de trabalhadores sem terra no Nordeste são as principais preocupações contidas nos dois primeiros documentos secretos do Consulado dos Estados Unidos no Recife vazados pelo site WikiLeaks. Os dois telegramas – escritos em julho de 2005 e maio de 2008 – fazem parte de um lote de comunicados de embaixadas norte-americanas obtidos pelo portal eletrônico cujo fundador, Julian Assange, foi preso em Londres, na Inglaterra, pela suspeita de ter praticado crimes sexuais contra duas mulheres, na Suécia. O australiano, solto dias depois, se tornou a locomotiva de uma crise diplomática sem precedentes na comunidade internacional ao tornar públicos comentários, análises, comunicados, opiniões e lobbies de embaixadores e cônsules dos EUA mundo afora.

O Wikileaks conseguiu acesso a mais de 250 mil telegramas das embaixadas. Exatos 1.947 foram enviados pela Embaixada de Brasília entre os anos de 1989 e 2010. No Brasil, o site registrou 778 documentos preparados pelo Consulado de São Paulo, 119 do Rio de Janeiro e 12 do Recife. O primeiro remetido da capital pernambucana disponibilizado na página eletrônica (www.wikileaks.ch) data de 2005 e se refere a uma tentativa de homicídio contra um pastor norte-americano de 45 anos, a 32 quilômetros da capital alagoana. O religioso havia sido ferido a tiros (no braço, pescoço e na mandíbula) na porta da Igreja Batista da Vitória, no bairro de Brasília, no dia 3 de julho. Internado em uma unidade de saúde do estado, ele acabaria transferido para Iowa, nos Estados Unidos, cinco dias depois.

No telegrama de quatro parágrafos e 35 linhas de julho de 2005, o Consulado no Recife analisa a possibilidade de o crime ter motivação semelhante à do assassinato da missionária Dorothy Stang. Nascida nos Estados Unidos e naturalizada brasileira, ela havia sido morta aos 73 anos, no mês de fevereiro daquele ano, em Anapu, noPará. Pertencente à congregação das Irmãs de Nossa Senhora de Namur, a irmã era uma ativista pelos direitos dos trabalhadores rurais da Amazônia desde a década de 1970. Lutava pelo fim dos conflitos fundiários e defendia uma reforma agrária para beneficiar os moradores das imediações. O homicídio do qual foi vítima teve estreita ligação com as bandeiras por ela empunhadas.

O consulado, no entanto, refuta a associação entre os dois crimes e descarta a hipótese de episódio com conotações políticas contra o pastor. O telegrama conclui pela possibilidade de a tentativa de assassinato ser fruto de ´negócios pessoais ou o envolvimento do ministério dele em uma área conhecida pelo uso abusivo de álcool e drogas`. Ainda assim, o consulado comunica o envio de representantes para a região onde o atentado ocorreu para esclarecer as circunstâncias do crime.

Depois de informar a chegada do pastor no Methodist Medical Center, em Iowa, em 9 de julho – viagem feita sem a solicitação de apoio ao consulado -, o telegrama assinado pelo cônsul dos EUA no Recife, Peter Swavely, pondera: ´A impressão é que este atentado não foi ou não é politicamente motivado contra o religioso como um cidadão norte-americano, missionário ou envolvido em questões sensíveis da organização política e não-governamentais`. O cônsul relaciona o crime à postura do pastor na luta contra drogas na região e prática de aluguel de casas para pessoas com rendas modestas.

A investigação da Polícia Civil alagoana apontou a possibilidade de ligação do crime com o trabalho desenvolvido pelo religioso contra redes de prostituição infantil no município. Dos Estados Unidos, dias depois do atentado e ainda em recuperação, o pastor enviou uma mensagem para os fiéis brasileiros: ´Não tenho a menor ideia de por que alguém quis tirar a minha vida. Seja quem for, perdoo de todo o meu coração`.

Repercussão

Cônsul dos Estados Unidos no Recife desde setembro de 2008, Christopher Del Corso, esclarece que o trabalho de um consulado em qualquer parte do mundo é reportar à embaixada e a Washington tudo o que acontece de relevante em sua área de cobertura.

´Mesmo com esses vazamentos do WikiLeaks, não vamos deixar de relatar nossas experiências`, destaca Del Corso, sem comentar o impacto negativo que a diplomacia norte-americana está tendo com o vazamento dos documentos.

´O Movimento dos Sem Terra preocupava e ainda preocupa os Estados Unidos, uma vez que envolve a vida de muitas pessoas. Claro que vamos continuar acompanhando e deixando Washington informado.

Fonte: Diário de Pernambuco / Gospel Prime

 

Anúncios

Deixe um comentário

Arquivado em Testemunhos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s